Meio Ambiente

 

Meio ambiente: menos discurso, mais ação!

Quando observamos um reciclador passar pela rua, puxando um pesado carrinho cheio de aparas de papel e papelão, nem de longe imaginamos o quão importante é esse trabalho. Infelizmente, para a sociedade esse herói anônimo é apenas um ‘catador de lixo’. Porém, todos os dias, um exército anônimo de recicladores retiram de nossas ruas, milhares de toneladas de materiais recicláveis que, caso contrário, iriam parar em aterros sanitários ou entupir as bocas-de-lobo, causando inundações.

Mas para onde vai todo esse material recolhido das ruas? Pelo menos aqui, em nossa cidade e região, boa parte tem destino certo: a Sulamericana. São mais de 50 mil toneladas de papel e papelão reciclados todos os anos e a meta é crescer ainda mais. Imagine se não fosse esse trabalho, quanto lixo sobraria para ser despejado nos aterros ou lixões a céu aberto.

Sem falar que a Sulamericana também dá destino adequado a milhares de toneladas de plásticos que são retirados das aparas. Hoje em dia, quando muitos falam em respeito à natureza, em sustentabilidade, são poucas as empresas que podem, de fato, ter o orgulho de contribuir para a melhoria do meio ambiente, com ações concretas e educativas. Na Sulamericana, a meta é menos discurso e mais ação. Veja, nesta página, alguns de nossos principais projetos voltados à melhoria do meio ambiente.

Novo reator melhora tratamento de água

A Sulamericana implantou mais um reator para completar o tratamento de seus efluentes que são despejados no rio Mogi Mirim. Agora, toda a água que sai das lagoas de decantação, é bombeada para o novo reator, onde é submetida a um novo processo de clarificação com um coagulante, além de mais uma etapa de decantação. Só então os efluentes podem ser lançados ao rio. A água, apesar da aparência leitosa, chega a ser 1.000 vezes mais limpa do que quando é captada do rio Mogi Mirim. Essa qualidade pode ser comprovada pela presença de alevinos no local, fato raro naquele trecho do rio. A água também é monitorada constantemente para certificar que está sempre acima dos padrões exigidos por lei.

 Empresa ajuda a oxigenar o rio

Durante os períodos de estiagem ou verões atípicos como o deste ano, com pouca chuva, sempre que o volume das águas do rio Mogi Mirim sofrer uma queda acentuada, comprometendo a quantidade de oxigênio, a Sulamericana entrará em ação. Para melhorar a qualidade da água, a empresa instalou um sistema permanente junto ao cano de descarga de efluentes tratados, que leva mais oxigênio para o rio, o que favorece o aumento do DBO (Demanda Bioquímica por Oxigênio). Isso ajuda, por exemplo, na redução de microrganismos, melhorando os níveis de oxigênio e, consequentemente, evitando a mortandade de peixes. Esse mesmo método é utilizado por grandes empresas da região, como, por exemplo, a Corn Products do Brasil, de Mogi Guaçu

 Recuperação de área degradada

 Foram mais de 50 anos recebendo toneladas de plásticos retirados das aparas de papel e papelão. Agora, por iniciativa própria, a empresa Sulamericana começa a dar uma destinação mais adequada a todo esse material, enviando o plástico a um aterro de Paulínia.

O processo, que começou há oito meses e já consumiu mais de R$ 270 mil, pretende ‘zerar’ esse passivo ambiental da Sulamericana em aproximadamente 5 anos, desde que haja a cooperação e orientação dos órgãos ambientais estaduais. No lugar do plástico retirado, a empresa está realizando a terraplenagem do terreno e colocando terra comprada junto à construção civil.

A primeira área a passar pelo processo possui quase 2 mil m² e já consumiu 750 m³ de terra, ou seja, mais de 80 caminhões. Paralelamente a essa grande obra, do mesmo local, foram enviados a Paulínia aproximadamente dois mil m³ de plástico. “Dentro de alguns anos, aqui não haverá mais depósitos de plástico na empresa”, afirmou o presidente da Sulamericana, Jorge Guerreiro.

 Novo bosque já conta com mais de 800 árvores

Como parte de uma série de ações ambientais que a Sulamericana está desenvolvendo desde o início dos anos 2000, a recomposição da mata ciliar no trecho do rio Mogi Mirim, que passa ao lado da empresa, foi um dos projetos mais importantes realizados até o momento.

Em 2013 foi feito o plantio de árvores nativas da flora brasileira às margens do rio, contando inclusive com a participação de filhos de funcionários da empresa. Ao todo foram plantadas mais de 800 árvores somente nos últimos meses. As espécies escolhidas para recompor a mata ciliar foram a jabuticaba, jequitibá branco, condessa, gabiroba, araçá do campo, taiúva, pitanga, imbiriçu, jerivá, tamboriu, embaúba, fruto de pombo, capororoca, ingá, aroeira, pau-formiga, dentre outras plantas ornamentais ou frutíferas.

 

 

Leave a Reply

    Localização